domingo, 6 de janeiro de 2008

Horrorshow

Quando me chamaram para assistir a Laranja Mecânica temei ser mais um daqueles filmes clássicos mas não envolventes. Na primeira cena já me surpreendi, ao som da Nona Sinfonia, um sujeito estranho bebe moloko com drogas na companhia de seus drugues em uma espécie de clube, com visual e som que não devem nada aos filmes de hoje. Logo percebi outro fato marcante, a utilização de um vocabulário nunca ouvido por mim, a linguagem nadsat, formada pela junção do inglês, russo e gírias (tem um mini-dicionário no fim do post).

O filme, de 1971, foi adaptado do livro homônimo de Anthony Burgess, escrito em 1962 e dirigido pelo gênio do cinema Stanley Kubrick, autor também de 2001: Uma Odisséia no Espaço e Lolita. Devido à violência, na época do lançamento ele foi proibido no Brasil. Outro lugar que não pôde assistí-lo logo foi o Reino Unido, o qual por ter feito severas críticas a esse aspecto do filme teve sua exibição proibida por Kubrick até a sua morte, em 1999.

Seu protagonista, Alex DeLarge (cujo sobrenome é revelado somente numa referência que ele faz a si mesmo: Alexander The Large) interpretado pelo brilhante Malcolm McDowell é um jovem do ano de 2007 que tem por diversão escutar Beethoven e praticar a ultraviolência na companhia de sua banda de drugues. Filho de pais desleixados, durante o início do filme Alex espanca mendigos e estupra mulheres (inclusive a de um escritor que no momento da invasão de sua casa trabalhava num livro chamado: A Clockwork Orange). Porém, num dos estupros ele comete por engano, assassinato. Traído por seus drugues, ele é preso e torna-se voluntário a um tratamento supostamente capaz de mudar a índole dos homens com uma lavagem cerebral (o médico que acompanhou Alex no tratamento era real, e o fez pelo fato do ator ter ficado temporariamente cego pelo uso do aparelho) o Tratamento Ludovico. Esse tratamento tornou para o deliquente o ato de violência repugnante, e por não se preocupar com o emocional dele, a música de Beethoven também. Dessa maneira Kubrick prova que a sociedade é tão violenta quanto Alex.

Após o tratamento Alex não é aceito de volta pelos pais, na rua é espancado pelos mendigos (o ator teve costelas quebradas nessa cena) e salvo por millicents - por acaso seus antigos drugues - os quais após o reconhecer, torturam-o em um tanque (mais uma cena de perigo, por falha no equipamento que o ajudaria a respirar, Malcolm quase se afoga de verdade).

Maltrapilho e maltratado Alex busca refúgio por engano na casa do escritor, que o acolhe e só o reconhece quando o ouve cantar Singing in The Rain no banho (Alex cantou essa música no dia da invasão, e a mesma só foi escolhida por ser a única que o ator sabia cantar). Desmascarado, foi novamente torturado, dessa vez com a nona sinfonia. Sob muita pressão, Alex tenta o suicídio e fracassa.

No hospital ele volta a ter o instinto cruel e sarcástico, sociopata e narcisista, e recebe do hipócrita governo, que outrora apoiara o Tratamento, o pedido de perdão. Os pais também o visitam. E assim termina o filme, como começara, no círculo que é padrão de todos os filmes de Stanley.

O nome do filme vem de uma expressão norte-americana: "As queer as a clockwork orange", que significa "Tão bizarro quanto uma laranja mecânica". E existem ainda outras curiosidades sobre o filme: a cobra Basil só entrou em cena por Malcolm ter medo delas; Kubrick mudava a posição dos pratos nas mesas e o nível das bebidas nas garrafas para desorientar os telespectadores; e a clássica, na Copa do Mundo da Alemanha de 1974, os jornalistas europeus apelidaram a seleção holandesa de Laranja Mecânica pela sua forma inovadora e perfeita de jogar.

Mas por que esse fascínio pela violência? Stanley Kubrick costumava dizer que existe uma grande hipocrisia a respeito da violência, pois todos são fascinados por ela. O filme foi lançado numa época em que as pessoas questionavam quais seriam os melhores meios de reeducação social e lutavam pelo fim da Guerra do Vietnam, e foi nesse cenário instável que foi lançado Laranja Mecânica. Esse é o típico filme que ou você vai adorar ou odiar. Recomendo-o para os que ainda não viram. xD

Como prometido, o Dicionário Nadsat:
Câncer: Cigarro
Cheena: Mulher
Devotchka: Menina
Droog; Drugue: Parceiro; Amigo
Em: Mãe
Glazzes: Olhos
Gulliver: Cabeça
Horrorshow: Legal
In-out-in-out: Sexo
Krovvy: Sangue
Malchick: Rapaz
Millicent: Policial
Moloko: Leite
Nadsat: Jovem; Adolescente
Nochy: Noite
Orange: Homem
Pee: Pai
Tolchockar: Bater; Acertar
Velocet, Syntemesc e Drencom: Drogas misturadas no leite
Viddy; Videar: Ver
Yarbles: Testículos

32 comentários:

Tyler Bazz disse...

O filme é ótimo.. só que um pouco cansativo...

o/

Fefo Fenero disse...

parece feito por mim... só tem o que eu gosto...

E laranja mecânica é um clássico... Kubrick e Bethowen combinados só pode dar coisa boa...

Paloma disse...

O filme é fantástico mesmo (assisti umas três vezes). Em produção não deixa mesmo nada a desejar aos filmes de hoje em dia. O Malcom é ótimo, combinado com Kubrick então, nãos podia ter sido melhor! Ótimo texto, e ótimo gosto cinematográfico!

Alécio disse...

puts!
ê coincidencia, cara, baixei e assisti esse filme ontem, muito bom mesmo, mas entrei mesmo no seu blog por causa do nome "O Apanhador no Campo de Centeio", to lendo esse livro. ^^

gostei dos seus posts, ótimo blog.

Jefferson Barbosa disse...

E se eu disser que não assisti?
Assistirei agora, e com certeza mais ansioso, pois o comentário sobre tal, foi admiravelmente otimo.

Abraço.

César Fernández disse...

o filme mais perfeito já feito.

e tenho dito.


eu li o livro também, no livro são mais de 200 gírias, rsrs

Fábio Buchecha disse...

Apesar de todo o brilhantismo de Laranja Mecânica (incrível como foi composta a trilha sonora, que parece uma sessão de tortura), dos filmes de Kubric é o que eu menos gosto. As direções de fotografia e de arte são perfeitas, mas para mim, nada vai superar o bacanal em Eyes Wide Shut (sem idéia do nome em portugûes =] ). Naquela cena ele assinou em baixo "Eu sou um gênio, ninguém nunca vai conseguir dirigir uma cena assim!"

Excelente texto!

___________________________________
TemPraQuemQuer <<< Entra!

Paty Tiemi disse...

Gosto de filmes diferente, bem, eu não assisti o filme, mas o estilo dele não é dos que mais gostei...

Larissa Santiago disse...

excelente filme... adoro a direção de arte!
parabens pelo blog!

Geoblog disse...

HahAhaha

Vi esse filme há 7 dias.

Achei muito bizarro. Todo mundo me falava muito bem do filme. Muito sadismo pra mim.

Sei lá, filme diferente que mexe nos nervos da gente.

Sinceramente não sei se gostei ou odiei o filme. Sentimento estranho...

Mas ta aí. Vale a pena ser visto pra sair desses enlatados americanos.

Abraços!

http://promocaosite.blogspot.com/

ArcView, ArcGIS, ESRI

Gis Help

Casa em Itacaré

World Cup In Brazil 2014 - FIFA

FALSA REALIDADE disse...

nunca vi o filme, mas ja ouvi bons comentarios.....
agora com toda essa propaganda, vou procurar ver, pois a curiosidade aumentou....descuple a demora, pois minha conecção ta lenta
te espero no meu blog

www.falsarealidade.blogspot.com

Pétala Rubra disse...

Esse filme é maravilhoso... e o mais incrível é a atemporalidade! O filme parece que foi feito ontem, de tão perfeito. Eu sou fã!

Rafael disse...

"O Apanhador no Campo de Centeio"
pq?

blog disse...

quando tiver tempo, camarada, dê uma checada em

http://mesmasletras.blogspot.com/2007/07/kubrick-e-sua-laranja.html

É uma postagem de julho.
Mas como vi que vc curte o filme...

abraço

blog disse...

E a propósito, Salinger é um dos meus ídolos.
Li todos os livros dele.
Os 4.

Deisinha Rocha disse...

sinceramente?

O filme mais sei lá que eu já vi...
rsrs

André disse...

Nunca li o livro mas ja assiti o filme varias vzs. Adoro os filmes desse cara. Seu blog e muito bom, voltarei sempre...

rato contra a vassoura disse...

esse filme é incrível... ainda hoje a frente dos nossos tempos

assista o clipe do Arctic Monkeys - Fluorescent Adolescent, foi inspirado nesse filme

KarinaK disse...

ei.... nem tenho mto o que falar... vc sabe que gostei do filme pakas... =D
ah! visita meu blog... toh falando de um livro que achei excelente!!!

www.vidamagica2.blogspot.com

oh soh, se por um acaso nos teus links o endereço do meu blog ainda for o antigo, atualiza pro novo... blz?!

jérula disse...

esse é mais um dos filmes que eu tenho em casa, mas nunca assisti..pelo q vc escreveu já estou interessada, mas acho muito pesado...vou ver se tenho coragem...
e as férias...curtindo?
até mais..bjs

Gabrielle disse...

Uma amiga viu o filme e disse que é ótimo. Mas, fiquei meio na dúvida de locar, talvez por preguiça ou porque sempre acabo levando outro filme quando vou à locadora. Já que o comentário que fizeste sobre tal foi muito bom, acho que dessa vez vou assistí-lo.

Muito legal teu blog. Ainda não conhecia, li alguns posts passados...Sobre o Segredo, eu também achava que era mais um livro pra adquirir dinheiro. Me surpreendi, e também coloquei em prática alguns dos meus pensamentos positivos. E concordo com você: Coca Cola, apesar dos boatos de que leva até cocaína, é mucho gostosa :D

Beijo!

Lunna disse...

estou de volta a ativa e finalmente retornando a visita...

em algum momento da vida ja ouvi falar desse filme, mas com ctz nao assisti
pela descricao eu lembraria

eu diria q ao mesmo tempo q a descricao me traz certa resistencia de ver o filme tb me desperta a curiosidade

Carla Zague =) disse...

Bom, quando em cartaz cheguei a ir ao cinema com intuito de assistir, mas troquei por uma pizza ;x
Mas eu está na minha lista de filmes pra assistir, antes do fim do mês..


take care!

Wellington disse...

Olaaa
mto loko aqui
meus parabensss
mto massa mesmu
visite o meu tbm
www.hp-island.zip.net

Vampiro disse...

Esse filme é foda!

Layn disse...

Eu li o livro há alguns meses atrás e adorei, perfeito, na minha opinião. O meu problema maior foram as gírias que aparecem no livro, que eu tive que adivinhar o que eram pelo contexto. :)
Agora eu vou 'caçar' o filme pra assistir.

The Rocks disse...

PO cara vou te falar...eu não sabia nada desse filme até ler o teu post.
Não li o post todo pois fiquei muito curioso e tive medo de estragar a surpresa. Vou baixar esse filme e assistir o mais rapido possivel. Valeu pela dica
Falow

RDG disse...

Aow Drugue, isso ae Larânja Mecânica, mto bom o post, Kubrick é o máximo msm, poucas vzs os filmes são tão bons qtos os filmes, e esse é uma das raras exceções, li o livro e assisti o filme,já há algun tempo, no mel blog fiz um comentário sobre, mas só um pequeno comentário, e cara sabe o que queria comenta com vc tb, eu li o livro que dá titulo ao seu Blog, o Apanhador, mto bom, Flw Té+.

o Cronista disse...

eu sempre tive vontade de assistir,
mas tenho de arrumar uma lcoadora que preste pra poder assistir!

Diego Pignone disse...

Recomendo VINYL do Andy Warhol. A primeira adaptação do livro.

Larissa Guerra disse...

Gosto muito deste filme, mas sem dúvida alguma, o livro supera. E de longe supera.

Obiçeno disse...

Laranja rules... assisti mais de 30 vezes nos longos dos meu muitos anos...

o livro tem aquele capítulo último que ainda bem que não colocaram no filme, pois o final é ótimo..... o do livro não achei ruim, só achei que haveria uma onda de suicídios se o kubrick tivesse colocado ele (ou as pessoas não assistiriam de novo)